fbpx
Educação 4.0: transformações e desafios para a escola

Educação 4.0: transformações e desafios para a escola

Educação 4.0: transformações e desafios para a escola

A educação 4.0 é uma abordagem pedagógica e um conjunto de estratégias educacionais voltados para atender as necessidades da sociedade advinda com a Quarta Revolução Industrial (Revolução 4.0 ou Indústria 4.0), expressão desenvolvida por Klaus Schwab para designar as transformações na forma de viver, trabalhar e interagir das pessoas ocasionadas pela revolução tecnológica.

Fonte: http://especiais.estadao.com.br/mundodigital/ola-mundo/.

De acordo com Schwab (2016)1, as mudanças ocasionadas pela Revolução 4.0 são diferentes de tudo que já foi experimentado pela humanidade. Essa revolução é marcada pela automação de processos industriais, controle de dados e informações. Alguns exemplos de inovações tecnológicas dessa revolução, de diferentes áreas, que fundem tecnologias dos mundos físico, biológico e digital, são:

1 SCHWAB, K. A quarta revolução industrial. Tradução Daniel Moreira Miranda. São Paulo: Edipro, 2019.

Toda mudança de paradigma atinge os diferentes âmbitos da sociedade: produção, consumo, negócios, sistemas logísticos, sistemas de saúde, comunicação, política, meio ambiente. Schwab (2016) afirma, então, que “precisamos de uma visão compartilhada abrangente e global sobre como a tecnologia tem mudado nossas vidas e mudará as das gerações futuras, e sobre como ela está remodelando o contexto econômico, social, cultural e humano em que vivemos”.

Essas constantes transformações também impactaram diretamente no âmbito educacional. É possível perceber que, acompanhando as revoluções industriais, a educação também passou por diferentes fases:

  • Educação 1.0 – professor no centro: mestre detentor de todos os saberes.
  • Educação 2.0 – adequação do estudante ao mercado de trabalho (fábricas). Aprendizagem formativa e memorização são a base.
  • Educação 3.0 – colaboração e pensamento analítico; inclusão de novas metodologias que aproveitam ao máximos as tecnologias para a aprendizagem.
  • Educação 4.0 – aluno como protagonista; aprendizagem por meio de projeto colaborativos; professor como mediador e orientador; professores e estudantes atuam juntos; metodologias ativas.

Com isso, se faz necessário que as instituições educacionais considerem essa transformação, explorando práticas cada vez mais condizentes à educação 4.0, a fim de preparar os estudantes para uma nova era, marcada pelo digital e pela automação. Além disso, essa adequação é necessária para que o estudante, na sua futura carreira profissional, não fique desatualizado no mercado de trabalho, sendo capaz de acompanhar as rápidas inovações e lidar com as diversas informações.

Porém, é fato que implementar um modelo de Educação 4.0 no Brasil é um desafio para professores e gestores, tendo em vista que as escolas ainda precisam de um maior investimento no que se refere às tecnologias, como o computador, tablets e a própria internet. No entanto, mesmo sem isso, algumas estratégias podem ser aplicadas para o desenvolvimento de competências e habilidades valorizadas pelo modelo de sociedade atual.

Considerando que a Educação 4.0 não possui ainda um modelo pronto, visto que ainda está em desenvolvimento, a exploração de metodologias ativas é recomendada para potencializar habilidades autônomas nos estudantes. As metodologias ativas devem estar alinhadas com atividades maker, pensamento computacional, aprendizagem por projetos, resolução de problemas, criatividade e inovação, tornando o ambiente escolar mais ativo, colaborativo e dinâmico.

Na Educação 4.0 também se defende a ideia do learning by doing, ou aprender fazendo, partindo da perspectiva do aprender por meio da prática e não apenas por intermédio da teoria. Essa proposta metodológica é defendida por John Dewey, que teve como premissas principais a descoberta, o sendo crítico, a autoavaliação, a pesquisa, a ousadia. O conceito de aprender fazendo é uma abordagem que está bem mais adequada ao perfil dos nativos digitais, que preferem aprender por meio das vivências e experiências.

Investir em formação continuada do professor é um passo importante para transformar a mentalidade do docente, visto que não basta transferir modelos tradicionais para o uso das tecnologias. É necessário construir um espaço mais colaborativo de aprendizagem, com metodologias ativas, em que o professor possa expandir seu papel de mediador, de orientador, entre o que deve ser aprendido e o estudante, permitindo um perfil mais ativo dos discentes.

A gestão escolar também precisa estar atenta a implementação da Educação 4.0 na escola, buscando a melhoria da infraestrutura, tomando decisões, apoiando e acompanhando as ações dos professores. Outra mudança importante é o foco na avaliação formativa dos estudantes, com um foco maior no processo de desenvolvimento de competências e habilidades ligadas às diferentes áreas de conhecimento.

Para atingir essa transformação de maneira significativa é preciso a união de todos os envolvidos: gestão, professores, família e estudantes. O desafio está posto: a Educação 4.0 já é a realidade. A sala de aula é a porta de entrada para o mundo e não há tempo a perder.

SAIBA MAIS

Guia definitivo da educação 4.0 https://www.plannetaeducacao.com.br/portal/arquivo/editor/file/ebook-educacao4.0-planneta.pdf

COMPARTILHE: